segunda-feira, 19 de julho de 2010

feliz mas (in)completa


Normalmente, generalizamos mas embora essa teoria cobarde sei que se não fosses realmente um rapaz especial não tinhas levado tanto de mim contigo, sei que só que me deixa saudade é aquilo que não é vulgar. Sinto-me feliz mas incompleta. Não escondo, sinto vontade (quando penso em ti) de voltar a reviver aqueles momentos, nem que fosse apenas por instantes. magoa-me profundamente por saber que foste a mais bonita história de amor, sei que foste mais que uma paixão e hoje sei que te tenho como amigo, mas ainda assim existe uma certa dificuldade (pelo menos da minha parte), em conseguir lidar com esta situação. admito ando a ser uma miúda que nunca fui (pelo simples motivo: preciso de ser como as pessoas são para mim, preciso vingar-me , sei que é uma atitude repugnante,contudo,sinto necessidade. acima de tudo é o meu último ano cá se tudo correr como sempre idealizei,assim ajudará-me-á a conseguir guardar-te como um capítulo completamente encerrado, cansei de ser falada sem fazer nada, agora quem falem,porque agora sim revoltei-me mesmo).
Se soubesses o quanto me magoou ter que te abandonar de novo, eu continuo a sentir por ti um enorme carinho, sei que ninguém me vai tocar cá dentro (asseguro em plenitude), pode outros lábios me beijarem e sei que sou uma miúda sem escrúpulos por ainda admitir isto, fecho os olhos e tento sentir que são os teus lábios que estão a tocar nos meus, quando abro os olhos e olho e vejo que não estás comigo. sabes , não deixo que outros alguens me chamem aqueles nomes que me chamavas quando estávamos deitados sob o banco do jardim,quando me sussurravas solenemente ao ouvido "és a minha princesa, a menina dos meus sonhos".
 Os meus textos tornam-se repetitivos, falam de ti e de tudo o que vivi e sobretudo de como me sinto. não encontro conectores, as frases não têm nexo, descrições, absolutamente nada, levaste tudo o que fui.
 Sei que o teu coração já não me pertence (um dia contaste-me só irei aos sítios que frequentas quando te esquecer,hoje tive provas disso). Ainda assim, tive a maior sorte quando te conheci és a única pessoa que não consigo descrever em frases, talvez pelo o facto de ter sido aquele sentimento que marcou profundamente. Nunca e sempre foram palavras que só tu ouviste de mim, palavras essas que nunca mais pronunciarei,tal como amo-te.
O tempo muda e as pessoas mudam com ele.

PS: Ás vezes sinto necessidade de acabar com estes momentos de loucura e voltar a ter os nossos momentos de pura ternura.

Um comentário:

Guillermo Furlong disse...

te comprendo todos somos la mitad de una pareja sin el otro estamos incompletos,me gusta como escribis ,somos una asociacion de artistas,Argentinos buscandoartistas amigos por el mundo nuestro blog es,
guillermocharangofurlong.blogspot.com
si entras ,deja un pensamiento tuyo,registrate como amiga y seras una mas de nosotros,esperamos saber de ti, yo ya me registre en tu blog